19 de janeiro de 2008

Pintura ou Fotografia?

Já devem ter reparado que, muitas vezes, quando observamos uma pintura, como forma de elogio dizemos: "Parece uma fotografia!". Mas, frequentemente acontece precisamente o contrário: quando olhamos para uma fotografia e dizemos: "Parece uma pintura!".
Por que é que isto acontece? Será porque aqueles que observam pinturas só gostam de fotografias e aqueles que olham fotografias só gostam de pinturas? Não me parece que assim seja por duas razões:
1. se isso acontecesse, aqueles que observam pinturas passariam a observar fotografias e os que analisam fotografias passariam a fazê-lo em pinturas pois ser-lhes-ia mais agradável, e isto deixaria de acontecer;
2. porque eu próprio já elogiei daquela forma fotografias e pinturas e apostaria como 99% das pessoas que estão a ler também já fizeram o mesmo, quer gostem mais de pinturas quer gostem mais de fotografias.
Assim, só me resta uma razão para isto:
as pessoas gostam sempre mais daquilo que parece ser o que não é.
Isto, sinceramente, parece-me mal! É elogiar as coisas por serem diferentes do que são, quando
eu valorizo aquelas pessoas que conseguem ser quem são! E acreditem, é difícil, e há mesmo muito poucas!
Nunca devemos gostar de ilusões porque não passam disso: ilusões!

7 comentários:

Migu disse...

Mais uma vez, n concordo c a teoria. Nnca comparei uma pintura a uma fotografia, porke axo k sao maneiras completamente diferentes d arte. enquanto a fotografia se limita a reproduzir (ainda k s escolha estrategicamente o ponto d vista, etc), a pintura tem sempre um ar mais artistico, em varios aspectos. É, ainda assim, uma teoria na qual ainda tenho k pensar mais profundamente.

Andre Vilar disse...

Este texto faz pensar , em tudo o que queremos da vida! Realmente tens razão. Temos uma certa queda por ilusões kuando n passam disso! Cada vez queremos mais, aquilo que parece não ser. Tentamos mudar as coisas para que elas fiquem mais "belas" do que aquilo que são. E tudo isto só pra fikarmos felizes. Gosto mt do teu blog. Continua.... abraços!

luis disse...

A propósito da visão (das diferentes maneiras de olhar), um poema do António Gedeão:

"Inútil seguir vizinhos
querer ser depois ou ser antes
cada qual é seus caminhos
onde Sancho vê moínhos
D. Quixote vê gigantes.

Vê moínhos? São moínhos!
Vê gigantes? São gigantes!

um mundo. disse...

Antes de mais obrigado pelo comentário lá no meu blog ;D

Também gostei do teu ^^ continua a actualizar porque eu quero sempre ver as tuas teorias sobre as coisas do mundo. há tanta coisa que nós não sabemos mas podemos tentar chegar a uma forma mais correcta de pensar falando sobre essa mesma coisa, como aqui.

em relação ao post: eu acho que tudo se resume ao gosto. não é uma teoria filosófica xD depende do gosto de quem comenta a arte. ha pessoas que preferem a fotografia, logo, vão achar que a pintura parece uma foto, pois foi uma pintura que elas apreciaram tanto como uma foto, e vice-versa.

depois sobre o viver de ilusões: é logico que não. o bom de tudo é conseguir perceber e aceitar que é uma ilusão e seguir em frente de cabeça erguida (:

txii, isto já está grande x'D

Abraço []

Renata disse...

"As pessoas gostam sempre mais daquilo que parece ser o que não é."
Infelizmente, a nossa sociedade é mesmo assim. Não percebo a razão, e também não sei se alguma vez isto vai mudar. A ilusão estará sempre presente e terá sempre este papel. Cabenos a nós conseguir descobri-la e pô-la para trás, viver simplesmente o dia-a-dia como ele é.

:')

parte dela disse...

ui.. ilusões..

é verdade, concordamos em tanto!
grande parte das vezes (porque não todas elas) nós limitamo-nos a "elogiar as coisas por serem diferentes do que são". e nao acho que as pessoas se conhecam, daí a viverem nessa ilusão de serem quem não são. mas as pessoas são como escolhem ser, talvez nem tanto como são mas como QUEREM.

ser quem se é, é complicado, porque torna-se difícil olhar fundo e descobrir o nosso papel, o nosso perfil. há quem consiga. ... mas poucos.

quanto à pintura/fotografia:
a verdade é que (sim, por acaso já comparei) muito do que parece ser não o é. comparamos. mas temos de aprender a diferença. a pintura ilude, a fotografia mostra. a dificuldade em distinguir isso pode ser bem mais complicada do que parece!

... fogo, parece um post, isto! vou acabar por aqui.


bjnho * gosto de ti ^^

Paula disse...

Interessante. Não que já me tivesse apercebido do que falaste, mas porque todos nós nalgum momento já caímos no erro de desejar que uma pessoa fosse diferente do que é. A verdade é que nunca estamos satisfeitos com o que temos e, apesar de isso ser parte da nossa motivação para seguir em frente lutando para atingir essa tal satisfação, torna-se importante valorizar as coisas pelo que são e não por aquilo que não são.
A verdade é que poucas são as pessoas que são elas mesmas...cada vez mais, por medo ou vergonha, são outras.